segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Soldado da polícia militar matou namorada,sogra e a própria mãe em MINAS GERAIS



um soldado da Polícia Militar matou a namorada, a sogra, a própria mãe e cometeu suicídio em Minas Gerais. Os crimes ocorreram entre a madrugada e manhã de sábado (12). 

De acordo com Polícia Militar, Igor Quintão Vieira, de 23 anos, matou Aline Guimarães Rodrigues, de 34 anos, que também é soldado da PM e a mãe dela, Elisabete Guimarães Rodrigues, de 66, em Divinópolis, no Centro-Oeste do estado. 


O casal fazia o curso da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos em Belo Horizonte e estava de folga na cidade onde Aline morava. Já a mãe do militar, Eloiza Santa Quintão Vieira, de 48 anos foi morta em Rio Pomba, na Zona da Mata, onde morava e também onde o soldado se matou em seguida.

Antes de matar a mãe, o militar enviou uma mensagem pelo WhatsApp para o irmão pedindo desculpas por não ser forte e confessando que havia matado a namorada e a mãe dela em Divinópolis. A princípio, a motivação do crime seria passional. 

Os corpos da militar e da mãe dela foram encontrados dentro de um quarto na manhã do último sábado (12), com marcas de tiros de revólver calibre 38.

De acordo com a PM, parentes não informaram nenhum problema prévio entre mãe e filho e colegas de turma do futuro sargento também foram consultados, não destacando nenhum tipo de problema do soldado que pudesse ter motivado o crime.

A Polícia Civil informou que a previsão é que o laudo da perícia seja divulgado em um prazo médio de 30 dias e as investigações já iniciaram.
namorada 

soldado e a mãe 

sábado, 12 de agosto de 2017

Radialista é assassinado em frente a casa da mãe em Morada Nova Ceará


Franzé Rodrigues havia deixado o programa em uma rádio local dizendo temer ser assassinado. Em 2011, ele já havia sofrido uma tentativa de homicídio
https://opingasangue.blogspot.com/2017/08/radialista-e-assassinado-em-frente-casa.html

O radialista Franzé Rodrigues foi assassinado a tiros no início da tarde desta sexta-feira (11), em Morada Nova, a 167 quilômetros da capital. O crime ocorreu quando o radialista descia de seu carro, em frente à casa da mãe dele, no bairro Açude Velho.
Os assassinos seriam dois homens em uma moto, contaram testemunhas à polícia. A Delegacia Municipal de Morada Nova investiga as motivações do crime. Até o momento, nenhum suspeito foi preso.
Há cerca de 30 dias, Franzé deixou o programa que fazia ao lado do também radialista Raimundo Estrela, o “Caldeirão de Notícias”, na Rádio Liberal, de Morada Nova. Raimundo conta que ele chegou a dizer que temia ser assassinado, pedindo, inclusive, ajuda para contratar um serviço de segurança privada.
O programa que fazia é destinado a assuntos regionais, com forte ênfase em notícias políticas e policiais. Ao sair da rádio, Franzé passou a trabalhar em uma empresa de provedor de internet. Nas eleições de 2016, Franzé chegou a concorrer ao cargo de vereador, pelo PSD, mas não foi eleito.
Em 2011, ele havia sofrido uma tentativa de homicídio, levando tiros no momento em que colocava a moto na garagem de casa. Hospitalizado, conseguiu recuperar-se. Dois suspeitos de praticar o crime foram presos dois dias após o crime. À época, um dos suspeitos, Edvan da Silva, 27, mais como “Caju”, contou que o atentado foi uma vingança por uma abordagem policial que sofreu. Em depoimento, o suspeito disse que, duas semanas antes do crime, o radialista revelou o local onde Edvan morava.
Além disso, duas semanas antes da ação policial, Edvan também viu Franzé apontá-lo a outras pessoas. No dia do crime, afirma, ele havia ingerido bebida alcoólica e “criou coragem” para atirar em Franzé, tendo chamado um amigo para a ação.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Polícia Federal faz operação contra fraudes na previdência no Cabo de Santo Agostinho-PE

Operação tem como objetivo prender envolvidos em fraudes nas aposentadorias rurais que causou um rombo de R$ 22 milhões aos cofres públicos


A Polícia Federal em Pernambuco deflagrou na manhã desta quarta-feira (9), a Operação Insistência, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa no município do Cabo de Santo Agostinho. Os alvos da operação são responsáveis por fraudar benefícios previdenciários e aposentadorias rurais. A ação conta com apoio da Secretaria da Previdência do Ministério da Fazenda e do INSS-Instituto Nacional de Seguridade Social.
Na operação estão envolvidos 120 policiais federais e servidores do INSS que tem como meta cumprir dois mandados de prisão preventiva, 18 de conduções coercitivas e oito de busca e apreensão nos municípios do Cabo e na comunidade de Brasília Teimosa, no Pina.
As investigações da Polícia Federal, que tiveram início no 2015, foram motivadas após descobrir que um servidor do INSS (Instituo Nacional de Seguridade) estaria cometendo uma série de graves irregularidades. Em 12 meses, a APS do Cabo concedeu 1.527 benefícios enquanto a APS de porte semelhante concedeu apenas 139. Levantamentos feitos pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária do Ministério da Fazenda apontaram que este servidor é o maior concessor de benefícios rurais do estado de Pernambuco. Estima-se que o valor do prejuízo dado aos cofres públicos chegue a quase R$ 22 milhões.
As pessoas conduzias coercitivamente e os presos serão levados para a sede da Polícia Federal onde serão indiciados e responderão pelos crimes na medida de sua participação. Eles podem responder por estelionato cometido contra entidade de direito público, com pena de 1 a 5 anos de reclusão; Inserção de dados falsos no sistema de informações e falsificação de documento público, ambos com pena de 2 a 6 anos de prisão e Corrupção passiva, de 2 a 12 anos de reclusão.

Insistência

O nome da “Operação Insistência” se deu pelo fato do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Cabo de Santo Agostinho continuar no esquema fraudulento de concessão de benefícios mesmo após a deflagração da Operação Manager que aconteceu em setembro do ano passado. Coletiva de imprensa será concedida nesta quarta às 10h na sede da Polícia Federal onde serão fornecidos maiores detalhes sobre as investigações.